Xixis com Farturinha

Podemos definir o caráter de uma pessoa apenas olhando como ela trata os animais.

Partilhamos a pedido! E sem comentários!

Lopes e Marques
Andamos perdidos!

Há 5 anos a nossa dona adotou-nos num canil do Porto. Começamos a viver juntos nessa altura e superamos depressa as diferenças de experiência de vida que tínhamos tido até esse momento feliz.

Em Vieira do Minho, onde passamos a viver, fomos dois cães extremamente felizes. Passámos a ter cuidados de saúde, alimentação e muito amor. Os nossos donos vivem no Porto, mas asseguraram-nos companhia humana todos os dias. Às sextas pela hora do almoço costumavam chegar a casa. Um de nós (o Marques) até tinha o hábito de se deitar a essa hora na porta de casa à espera que chegassem para os receber. Fazia sempre o mesmo ritual de receção: depois de exprimir a mais completa alegria, arrastava o nosso dono até ao lugar onde eu e o Moisés estávamos presos para nos libertar e iniciar a celebração da liberdade.
Durante todo o fim de semana acompanhávamos o nosso dono no trabalho agrícola e visitávamos a nossa dona em casa e na piscina, vezes sem conta. Momentos que aproveitávamos para brincar com o Kiss e o Ralph – dois cãezinhos pequenos que vinham sempre com os nossos donos do Porto. Uma vez ou outra chegavam também os filhos e os netos da família e então a festa era ainda mais completa. Ao entardecer vínhamos para casa e abusávamos da paciência dos donos porque ocupávamos os melhores lugares nos sofás, resmungávamos uns com os outros e ficávamos colados a eles até todos irem dormir. No inverno a nossa dona tinha sempre o cuidado de nos proteger do frio antes de regressarmos às casotas.

No dia 28 de Fevereiro à noite estava a chover quando saímos à rua. Como era habitual, dávamos um passeio de patrulha pela propriedade, sempre só os dois (Marques e Lopes) e regressávamos 15 minutos depois para comer e dormir. Foi assim que vimos os nossos donos pela última vez. Não regressámos mais.
Os nossos donos podem pensar que fomos atraídos por alguma pessoa conhecida e levados para longe, tão longe que não encontramos o caminho de regresso a casa. Até podem pensar que fomos presos numa casa ou vítimas de maldade ainda pior. Imaginamos que percorreram já todos os lugares prováveis do concelho de Vieira e dos concelhos vizinhos, com fotografias nos lugares públicos e recurso a associações de proteção de animais e mesmo anúncios na rádio local. Se alguém nos encontrar será fácil identificar o telefone da nossa dona, até porque está gravado nos nossos chips. Até agora nunca mais encontrámos pessoas conhecidas e pensamos que nunca encontraremos quem nos trate tão bem.

É por isso que pedimos ajuda a todas as pessoas de bem que nos possam encontrar. Reparem bem nas fotografias anexas e pensem se nos encontram. Podemos estar mais magros, sujos e mal tratados. Até podemos andar separados mas nunca perdemos a esperança de voltar à paz do nosso lar. Por favor, ajudem-nos a voltar para a nossa casa!

Contacto: https://www.facebook.com/profile.php?id=100009488105756

5

5 Novembro, 2015


Artigo Anterior

Artigo Seguinte

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *